Nova política de formação docente do MEC, e um edital

Na efeméride “Dia do Professor” o ministro Mendonça Filho havia anunciado que em alguns dias o MEC lançaria uma nova política de formação docente, o Programa Nacional de Residência Pedagógica. Ele também diz, no vídeo, outras coisas que se não são propriamente falsas, são ao menos altamente contestáveis.

Ontem, dia 18 de outubro o MEC apresentou a Política Nacional de Formação de Professores com Residência Pedagógica.

Como eu havia antecipado ao final desta postagem, a existência do Programa de Residência Pedagógica interferirá na existência do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência, o querido PIBID – possivelmente “modernizando” o atual formato do Programa. Ainda não se tem detalhes sobre como esta transformação ocorrerá, nem sobre a Base Nacional Docente – que, imagino, deve estabelecer mínimos curriculares comuns para todos os cursos de licenciatura – mas é certo que já muitos de nós demonizam todas e cada uma das partes da iniciativa, por ter sido proposta pelo atual governo, cujas políticas (esta, por exemplo) não foram aprovadas pelo voto popular.

Há, certamente, muitos problemas que precisam ser discutidos e enfrentados. Para tal, entretanto, não me parece produtivo “dar murro em ponta de faca”, como se diz no interior do Rio Grande do Sul, insistindo em chorar pelas pedagogias derramadas sem um pingo de autocrítica sobre como os projetos (PIBID, mas não apenas) estavam sendo levados a cabo em cada IES. (Há muitos lugares em que as bolsas PIBID são meras ajudas de custo para universitários que não têm interesse em lecionar – nem os projetos conseguem despertar neles este interesse -, há muitos lugares em que não há qualquer avaliação adequada dos trabalhos realizados, e há muitas instituições que estão preocupadas em derivar da execução de seus PIBID publicações para a engorda de Lattes, e não para auxiliar os professores e gestores das escolas públicas a melhorar suas práticas.)

Um problema imediato é o seguinte: como ficam as reformas dos currículos das licenciaturas, realizadas e/ou em andamento, induzidas por esta eesolução do CNE? Devem ser suspensas, esperar pela tal Base Nacional Docente?

Muitos medos surgem, como os que se relevam nas perguntas: O antigo magistério retornará? (Isso é bom ou ruim?) Quais são tais “instituições formadoras” (fundações privadas incluem-se aí)? Seremos, professores das licenciaturas, substituídos por tutores de educação à distância? Sobrecarregados com a orientação de alunos residentes? Trata-se de um modo de baratear custos com salários de professores?

A ver.

Quiçá sem temer?

***

Em outra nota, uma oportunidade: a Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP de Marília abriu edital para seleção de bolsista de Pós-Doc (PNPD). As linhas de pesquisa são as seguintes:

Linha 01 – Psicologia da Educação: Processos Educativos e Desenvolvimento Humano

Estudos e pesquisas sobre ensino-aprendizagem, desenvolvimento humano, vulnerabilidades, processos educativos e de avaliação, formação de educadores e profissionais, nas perspectivas da Psicologia e Epistemologia Genética, da Neuropsicologia, da Psicologia Cognitiva e Comportamental.

Linha 02 – Educação Especial 

A linha desenvolve pesquisas sobre questões que emergem na construção da educação inclusiva capaz de acolher alunato com ampla diversidade, com destaque para as diferenças decorrentes de alterações morfofisiológicas e as de natureza psicossocial e etnocultural. O equacionamento educacional dessas diferenças demanda a construção de fundamentos e conhecimentos, bem como o desenvolvimento de procedimentos e recursos – humanos e materiais – visando à provisão de serviços adequados para todos aqueles que, por meio de recursos convencionais, teriam dificuldades ou impedimentos para ter acesso à educação de qualidade.

Linha 03 – Teoria e Práticas Pedagógicas

Estudos teóricos e análise das práticas pedagógicas relacionadas com as diversas áreas do currículo da educação básica e superior, em especial com a Didática, a Metodologia, a Psicologia, a Linguística e as políticas educacionais no Brasil.

Linha 04 – Políticas Educacionais, Gestão de Sistemas e Organizações, Trabalho e Movimentos Sociais

A linha contempla  estudos e análises das políticas públicas e educacionais do Estado e de outros agentes sociais nos âmbitos nacional e internacional. Analisa teorias e práticas da administração, da avaliação educacional e da gestão, bem como a imbricação entre educação e trabalho,  a educação nos movimentos sociais, relações de gênero, direitos humanos e etnia na escola e em outros setores da sociedade.

Linha 05 – Filosofia e História da Educação no Brasil

A linha desenvolve estudos sobre a educação e o ensino dos pontos de vista filosófico e histórico. Do ponto de vista filosófico, privilegia a abordagem do problema da formação humana e as questões relativas ao ensino, em suas dimensões epistemológicas, éticas, políticas, estéticas e comunicativas. Na abordagem histórica, privilegia investigações sobre as Instituições Escolares, a Formação e a Profissão Docente e o Ensino de Língua e Literatura, inclusive alfabetização e letramento.

 

Anúncios

Varia

Na sequencia da notícia que inseri ao final da postagem anterior, acompanhada de uma entrevista em que se aventam mudanças no PIBID, li no Estadão texto (publicado em 17 de agosto) de Isabela Palhares, titulado “Programa de bolsas para professor tem redução de 14,8%” – “Ministério da Educação (MEC) alegou que fará mudanças; fórum nacional teme pela continuidade do projeto”

Reproduzo a íntegra do texto para quem não consegue acesso ao jornal:

Uma das principais ações do governo federal de formação de professores para a educação básica, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) sofreu uma redução de 14,8% no número de bolsistas nos últimos dois anos. Sem dar detalhes, o Ministério da Educação (MEC) informou que está estruturando para o próximo ano uma reformulação do programa, que concede bolsas para estudantes de licenciatura estagiarem em escolas públicas do País.

O Estado obteve pela Lei de Acesso à Informação dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável pelo programa, que tinha 65.185 bolsistas do Pibid em junho de 2015. No mesmo mês deste ano, eram 58.268. 

O programa concede bolsas de R$ 400 aos alunos de licenciatura para participarem de projetos em escolas de educação básica, além de pagar R$ 1,2 mil aos coordenadores e R$ 600 aos professores responsáveis pelas disciplinas.

 

 

O MEC informou que houve um corte de bolsas ao fim de 2015, quando foi feito um “ajuste do programa ao orçamento que havia sido aprovado naquele ano” – o ministério perdeu 10% de seu orçamento, cerca de R$ 10,5 bilhões a menos. No primeiro semestre de 2015, a Capes pagou R$ 251,7 milhões em bolsas. O montante caiu 10,1%, R$ 226,5 milhões, no mesmo período de 2016. A pasta disse que atualmente estão disponíveis 59.156 bolsas para o Pibid e os coordenadores de projetos não preencheram todas.

Nilson Cardoso, presidente do Fórum Nacional dos Coordenadores do Pibid (Forpibid), disse que a preocupação é com a sobrevivência do programa, reconhecido por proporcionar aos jovens da graduação a vivência do cotidiano das escolas públicas. “O Pibid tem uma dinâmica diferente, porque os alunos se formam ou conseguem outra bolsa e são substituídos. O que acontece desde 2015 é que as vagas são fechadas, sem aviso e sem a possibilidade de incluir novos bolsistas. É um efeito cascata.”

No último período do curso de educação física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) , Hugo Tavares, de 22 anos, tentou por dois anos, mas não conseguiu ser selecionado para o Pibid. “É uma pena não ter tido essa oportunidade. Acredito que limita minha formação, porque não tive um contato direto com as escolas e alunos. Eu quero dar aula na rede pública e tenho certeza que teria feito diferença na minha trajetória profissional”, diz.

Segundo Tavares, em sua turma 15 estudantes tentaram o ingresso no programa e nenhum conseguiu. Apesar do valor da bolsa ser pequeno, ele disse que teria o ajudado financeiramente e poderia ter impedido que ele procurasse emprego em outras áreas durante a graduação. “Nos últimos anos, trabalhei com vendas para poder me manter na faculdade. Gostaria de ter trabalhado com educação, que é onde vou atuar, mas, como não consegui, tive que me virar”, disse.

Em 2015, uma pesquisa, feita com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), mostrou que 64% dos formados que participaram de programas de iniciação à docência, como o Pibid, foram trabalhar na área da educação – 88% atuando como professores . Dentre os que não trabalhavam na área, 47% disse estar aguardando concurso na rede pública.

Em nota, o MEC informou que atualmente estão disponíveis 59.156 bolsas para o Pibid e disse que os coordenadores de projetos não preencheram todas elas. O ministério também disse que o programa é “apenas umas das iniciativas” para qualificar a formação de professores. “Sem pretensões de ser universal, ele deve funcionar como indutor de boas práticas”, disse em nota.

Sobre as mudanças no programa, a pasta disse ter montado um grupo de trabalho para a reformulação e a previsão é de que as primeiras conclusões sejam apresentadas em outubro. “A intenção é garantir a autonomia das secretarias de educação na escolha das escolas em que o Pibid irá atuar, bem como uma participação mais ativa nos projetos a serem desenvolvidos”, disse.

***

No dia 24 de agosto o Professor Ronai Rocha proferiu uma aula inaugural em sua universidade. Foi no Centro de Ciências Naturais e Exatas (CCNE), o registro audiovisual está disponível na plataforma Farol UFSM, e a aula versou sobre Quando Ninguém Educa, seu livro-desafio.

No início da aula o professor fala de algo que me tem precupado bastante: como estamos trabalhando, nos cursos de licenciatura, as habilidades para ensinar dos futuros professores? Fazemos/faremos isso nos “departamentos de conteúdo” ou o deixamos/deixaremos a cargo das faculdades de educação, especialmente dos cursos de pedagogia? (A propósito recolhi dois textos, que ainda não li, sobre a história dos cursos de pedagogia no Brasil e sobre seus currículos) Ou deixamos isso para nunca? Este texto sobre “aulas invertidas” fala do tipo de coisa a que aludo.

*** 

Já que o vento está soprando nesta direção, o Prof. Ronai também disponibilizou para discussão, em sua página do Academia.edu, um texto, antes postado em seu blog, em que provoca reflexões sobre certa tendência em assuntos de didática da filosofia, de entendimento de si como “uma coisa que discute filosofia” (Millôr, informe-se). O texto pretende pontuar, como se anda dizendo, ideias que merecem mais atenção de nossa parte – nessas horas de aprimorar os argumentos em defesa da nossa presença na vida escolar, dados os golpes sofridos nos últimos tempos no rumo das coisas brasileiras.

***

A ANPOF noticiou em seu site a publicação da Coleção Novas Tendências para o Ensino de Filosofia, organizada por Adriana Mattar Maamari:

O Volume 1 se intitula Tópicos específicos de aprendizagem

O Volume 2 Campo histórico-conceitual, didático e metodológico

O volume 3 se chama O contexto de sala de aula e o âmbito das pesquisas

***

Foi publicado pela Cultura Acadêmica o livro resultado do doutoramento de Tiago Brentam Perencini (UNESP/Marília), Uma arqueologia do ensino de filosofia no Brasil – Formação discursiva na produção acadêmica de 1930 a 1968, que pode ser baixado aqui. A sinopse diz:

O objetivo deste livro é investigar a formação discursiva do ensino de filosofia em nível universitário no Brasil. O autor analisa as condições para a formação do saber sobre “ensino de filosofia” na esfera universitária. Para isso, pesquisa os anos 1930, década em que se inicia a criação das principais Faculdades de Filosofia no Brasil, até 1968, ano da Reforma Universitária no país, para: (a) verificar a hipótese de pesquisa, que visa analisar o formato de articulação entre os discursos filosófico e pedagógico na constituição do saber “ensino de filosofia”; (b) oferecer o mapeamento do debate acerca do ensino de filosofia no debate acadêmico entre os anos de 1930 e 1968.

Viceja

Ocorre daqui a alguns dias na UFRGS o IV Workshop de Filosofia e Ensino. Dadas as atuais circunstâncias brasileiras, nas quais se ameaça tanto, inclusa a vida de nossa atividade como disciplina obrigatória nas escolas – e mesmo a realização plenamente adequada de eventos como este, dada a escassez de recursos – o tema deste ano é “Qual Filosofia? Qual Ensino Médio?”.

No ano que vem completam-se 10 anos de nossa inserção como disciplina obrigatória nos currículos do ensino médio brasileiro, e nesta década muitas coisas importantes foram feitas para discutir e aprimorar o ensino de filosofia no Brasil – fortalecimento do GT da ANPOF Filosofar e Ensinar a Filosofar (que este ano realiza a quarta edição de seu encontro), desenvolvimento das Olimpíadas de Filosofia em diversos estados, criação da ANPOF/Ensino Médio, criação do PROF-Filo, realização de diversas atividades e encontros relacionados aos PIBID Filosofia (acaba de ocorrer o III Encontro, em Natal). Isso sem falar nos frutos da árvore editorial, e os da preparação para exames de ingresso etc..

O evento da UFRGS, cuja programação completa pode ser acessada aqui, é uma tentativa de mostrar a importância de conversas sobre nós, professores de filosofia, e nossas relações curriculares na e com a escola.

 

UFRGS/Campus do Vale – Porto Alegre/Brasil

Interdisciplinaridade e transversalidade no currículo do ensino médio

Quando tive a ideia de criar este blog era quase inevitável que sua primeira postagem fizesse alguma referência ao trabalho do professor a quem devo mais do que posso reconhecer em termos de inspiração nessa jornada que é a dedicação aos assuntos relativos ao ensino de filosofia na escola – embora fosse também tentador iniciar recordando os primeiros passos dessa caminhada, referindo ao meu iniciático amor pela primeira escola, ou ainda à minha professora de Química no Ensino Médio, Sandra Viott, que foi quem me emprestou o primeiro livro “de filosofia” que li na vida.

Fez-se inevitável, depois que, na primeira sexta-feira de abril de 2014, recebemos o professor Ronai Pires da Rocha na sala 101 da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para proferir a palestra que marcou simbolicamente o início das atividades do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) dessa universidade, Inter, trans e outros gêneros curriculares”.

O professor Ronai tem dedicado os últimos trinta anos às atividades de pesquisa e docência com especial cuidado aos procedimentos didáticos adequados a cada nível de ensino. De modo bastante fecundo, tem pensado não somente acerca dos papéis próprios da filosofia no currículo escolar mas também, e mais ultimamente, em modos felizes pelos quais se pode pensar e praticar as tão propaladas ideias de interdisciplinaridade e transversalidade na escola média brasileira. Para mim, Ronai sempre foi um excelente professor, providente tutor e, mais tarde, colega, sendo hoje em dia o autor a quem remeto imediatamente quando se trata de sugerir alguma leitura básica para meus alunos de Introdução ao estágio em filosofia, isso sem contar a talvez dispensável referência a ele como mestre, tão simplesmente.

Assim, não deixa ele de ser a principal fonte de inspiração teórica do novo subprojeto do PIBID UFRGS, que conta com bolsistas de cinco licenciaturas distintas, bem como com  as professoras coordenadoras desses mesmos PIBID (Biologia, Física, Filosofia, Letras e Química) e trabalha, sob a supervisão de dois professores (um de Filosofia, outra de Geografia) em duas escolas da cidade de Porto Alegre (o Colégio de Aplicação da UFRGS e a Escola Estadual Senador Ernesto Dornelles).

A palestra, proferida no final de um belo dia de outono em Porto Alegre, foi assistida atentamente tanto por bolsistas de iniciação à docência do PIBID UFRGS quanto por professores supervisores e coordenadores de diferentes PIBID, incluso exteriores à UFRGS.

Inter, trans

Neste link é possível acessar um arquivo em formato PDF, gentilmente cedido por Ronai, no qual constam os slides dos recursos textuais e visuais utilizado em sua apresentação. Ele também mantém um blog no qual divulga algumas de suas ideias acerca de ensino de filosofia e questões de transversalidade pedestre – essa modalidade forjada no interior de seu livro para dar conta do tipo de relação que melhor fundamenta práticas de interdisciplinaridade.

Pretendo alimentar esse blog com referências e reflexões acerca de meus projetos para práticas de ensino de filosofia, principalmente apontando para a dimensão naturalmente interdisciplinar da filosofia na escola – sobre o que, a partir das ideias de Ronai, mas em constante diálogo com meus alunos e colegas, voltarei a falar em breve ocasião.